• LCPADVOCACIA

STF mantém prisão de Cunha porque ele tinha técnicas "profissionais"

Atualizado: 8 de Mar de 2018


Indícios de que réus atuam com profissionalismo na hora de praticar crimes justificam a prisão preventiva para evitar a retomada de práticas ilícitas e prejuízos à ordem pública. Assim entendeu a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal ao rejeitar pedido do ex-deputado Eduardo Cunha e mantê-lo preso.


Ex-presidente da Câmara dos Deputados, ele está atrás das grades desde outubro de 2016, pouco depois que seu mandato foi cassado. A prisão foi mantida mesmo depois de ter sido condenado em primeiro grau a mais de 14 anos de reclusão.


Para a defesa, a medida cautelar é desnecessária porque Cunha, deixando de ocupar cargo público, não poderia cometer os mesmos crimes aos quais foi acusado. Outras alternativas, na visão do advogado, seriam suficientes para garantia da ordem pública e para a aplicação da lei penal.


O Tribunal Regional Federal da 4ª Região já havia rejeitado os argumentos. O relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, reconheceu que a sentença derrubou o argumento de que a prisão era necessária para a conveniência da instrução processual.


Segundo ele, porém, a jurisprudência da corte aponta no sentido de que o modus operandi e demais particularidades da ação tida como criminosa podem demonstrar o profissionalismo do agente e evidenciar o risco de continuidade ou retomada de práticas ilícitas.


Para o relator, o fato de o ex-deputado ter sido acusado de receber propina de US$ 1,5 milhão, em razão do exercício de mandato de parlamentar, e de ter praticado atos sofisticados de lavagem de dinheiro demonstra a gravidade dos atos e embasa o fundado receio de reiteração delituosa.



Fonte: Revista Consultor Jurídico, 28 de novembro de 2017, 20h04

https://www.conjur.com.br/2017-nov-28/stf-mantem-prisao-cunha-porque-ele-tecnicas-profissionais

Av. das Américas, n. 19.005, Torre 1, Sala 326   

CEP 22790-703, Recreio dos Bandeirantes

Rio de Janeiro - RJ

+55 (21) 97029-9249

Siga-nos nas redes sociais

NEWSLETTER

© 2017 Luiz Carlos Pinheiro - Consultoria e Assessoria Jurídica