• LCPADVOCACIA

Funcionária transexual obrigada a usar banheiro de deficientes será indenizada

Empregada era proibida de usar banheiros feminino e masculino por causa de identidade de gênero.


Uma empresa foi condenada a pagar indenização por danos morais a uma ex-funcionária transexual discriminada no trabalho. A decisão é da 10ª turma do TRT da 2ª região, que também condenou a companhia a rescindir indiretamente o contrato de trabalho da funcionária, demitida por justa causa em razão de abandono de emprego.


A funcionária passou pela cirurgia de mudança de sexo ao final de 2012 e, desde então, passou a sofrer humilhações no trabalho. Na inicial, a empregada alegou ser vítima de piadas dos colegas e que os supervisores da empresa a proibiram de usar os banheiros feminino e masculino. A autora afirmou que, por causa disso, era obrigada a utilizar o banheiro de deficientes, o qual não tinha chave e não podia ser trancado, ficando com o acesso livre durante seu uso.


De acordo com os autos, por causa das humilhações, após o período de férias, a funcionária não voltou ao emprego, a fim de obter a rescisão indireta do contrato de trabalho. Entretanto, a empresa demitiu a funcionária por justa causa em função de abandono de emprego. Por causa disso, a empregada entrou na Justiça, pleiteando a rescisão indireta e o pagamento de indenização por danos morais em razão das humilhações.


Condenação


Ao julgar o caso, o juízo da 38ª vara do Trabalho de São Paulo/SP condenou a empresa ao pagamento de R$ 2 mil a título de indenização por danos morais à funcionária por causa das humilhações. O juízo também reconheceu que as faltas da trabalhadora para a postulação da rescisão indireta não podem ser caracterizadas como abandono de emprego – já que a empresa não provou ter convocado a funcionária para retornar ao trabalho – e determinou a rescisão indireta do contrato de trabalho.


Em recurso da companhia, a 10ª turma do TRT da 2ª região considerou que os depoimentos de testemunhas comprovaram a humilhação sofrida pela funcionária no ambiente de trabalho. O colegiado também ponderou que, apesar da não comprovação da proibição do uso dos banheiros feminino e masculino, os comentários depreciativos dirigidos à funcionária configuram assédio moral, que deve ser reprimido e "não pode ser confundido com legítimo direito do empregador".


Já em relação à rescisão contratual, a turma ponderou que não houve falta grave capaz de configurar a justa causa, e que a omissão da empresa diante do que ocorria em suas instalações "tornou insuportável o prosseguimento da relação empregatícia". O colegiado também ressaltou que a comprovação das humilhações enseja a rescisão indireta do contrato de trabalho e que "a falta empresária se protraiu no tempo, pois as humilhações só cessaram com a rescisão do pacto contratual".



Fonte: Migalhas.com.br

Veja o conteúdo completo em:

http://www.migalhas.com.br/Quentes/17,MI273415,41046-Funcionaria+transexual+obrigada+a+usar+banheiro+de+deficientes+sera

Av. das Américas, n. 19.005, Torre 1, Sala 326   

CEP 22790-703, Recreio dos Bandeirantes

Rio de Janeiro - RJ

+55 (21) 97029-9249

Siga-nos nas redes sociais

NEWSLETTER

© 2017 Luiz Carlos Pinheiro - Consultoria e Assessoria Jurídica